Estadão

Fechar

Você está no seu último texto gratuito
deste mês.

No Estadão, tem sempre mais pra ler.
Continue se aprofundando nas notícias.

Assine o Estadão e tenha acesso livre »
É assinante? Entre aqui

Amor que não é pra sempre (Quem precisa de Monalisa?)

Gilberto Amendola

30/11/2017, 10:43

Quando ela disse que iria me amar pra sempre quase tive uma sincope. Ri tanto que o botão da calça me escapou. Tadinha, pra sempre seria uma tarefa impossível – até pro amor que nós dois presumíamos.
A medida do tempo do amor é o minuto. Te amo Às 9h45. Depois, não sei.
O cabelo cresce, a barba também, o humor muda e, veja só, amor, são tantas ruas. Tanta gente pra quem se diz bom dia, tanto troco passando de mão em mão, tanta vida descendo a ladeira sozinha ou precisando de um empurrão.
Com a faca do pra sempre no pescoço, digo logo: vá em frente! Arranque esse escalpo, me faça de enfeite. Mas, nem tente, até a ferrugem me faria diferente.
Do amor, espera-se o anúncio, o tijolinho de jornal ou o lambe-lambe no poste da Eletropaulo: “faz-se carreto!”
O cara que aqui jaz não foi o mesmo que tombou na guerra, que levou um teco ou teve febre amarela. Os mortos mudam de ideia antes de adubarem a terra.
No mais, não te quero quadro.
Monalisa já deu no saco.

Você atingiu o número máximo de textos gratuitos este mês

Não pare por ai.
No Estadão, tem sempre mais pra ler.

Continue se aprofundando na informação. Assine por apenas R$ 1,90 no 1º mês e tenha acesso ilimitado ao Estadão.

Conheça suas opções
de assinatura

No próximo mês, você poderá ler gratuitamente mais 10 textos.

Já é assinante?

Entre aqui

Em caso de dúvidas, fale com a nossa Central de Atendimento: 4003-5323 (capitais e regiões metropolitanas) 0800 014 7720 (demais localidades). De segunda a sexta-feira das 6h30 às 20h, e aos sábados, domingos e feriados das 6h30 às 14h. A Central de Atendimento não recebe ligações de celulares.

Ir para a versão web