A vida que fica depois que a gente vai embora.
O sol que nasce nas ruas cheias de gente
e o tráfego que desconhece o luto dos seus.
São poucos os que choram,
cabem na sala diminuta onde as sombras aguardam
o doutor.

A vida que fica depois que a gente vai embora.
O crescimento do bairro, as ruas renomeadas
e os novos melhores bares da cidade.
As músicas que ainda vão ser gravadas, os hits de um verão
que você não vai aproveitar.

A vida que fica depois que a gente vai embora.
A nova moda, o último lançamento, os próximos governos
e seus respectivos escândalos.
O sabor do sorvete que acabou de sair.

A vida que fica depois que a gente vai embora.
Os países que você não visitou.
Os novos destinos,
as regras da aviação civil
e a lista de mais vendidos em 2075.

O amor guardado para a última volta do relógio.
A mulher da sua vida se a sua vida ainda…
A sensação de perder o chão se ainda houvesse um
chão.

Pra onde vai a internet? Os carros voam?
E a máquina do tempo? Há vida em outros planetas?
Há cura para a doença que…

A vida que fica depois que a gente vai embora
As geleiras derretendo
sem pressa.
E os pinguins depressivos lendo Camus
sem pressa.

E como termina a série que ainda não foi criada?

A vida que fica depois que a gente vai embora.
Os filhos crescendo, o encanamento da casa e o parkinson da ex-mulher.
Como estará a mesa no próximo natal?

Na sala contígua, uma pantomima.
Tem alguém chorando, um arroubo mais efusivo,
abraços mais ou menos verdadeiros.
Alguém vai ter que ser prático,
fazer uns telefonemas e garantir que tudo será pago.

Os boletos que ficam depois que a gente vai embora.
A conta de luz, o aluguel, o cartão de crédito
e as duas últimas prestações da bicicleta.

O seu time joga quarta-feira que vem,
vai passar na tevê.

Mas as crianças não podem faltar na escola amanhã.
Elas têm prova.
E o mais novinho anda apaixonado por uma colega de classe.
A vida que fica depois que a gente vai embora.

Nunca é o suficiente.