Amanda Freeman (blissamanda)/Creative Commons

Amanda Freeman (blissamanda)/Creative Commons

Ella se preparou dias antes. Escolheu tudo com o maior cuidado e riqueza de detalhes.
Era apenas uma convidada no casamento, mas queria ficar deslumbrante!
Bem cedo começou a se arrumar e após o banho, Ella mesma fez seu penteado. Preparou a pele para maquiagem, colocou suavemente os brincos, deslizou o vestido em seu corpo perfumado e calçou as sandálias.

Na hora determinada estava pronta e como desejou, estava deslumbrante.
Seguiu sozinha para o casamento, a viagem foi tranquila. O local era simplesmente lindo, tudo foi muito mágico. A cerimonia, a trilha sonora, a festa, cada detalhe exalava perfeição e amor.

E chegou a hora da noiva jogar o buquê.
E então Ella pensou: “Qual a probabilidade de eu pegar este buquê? Uma em vinte?” e riu.
Não estava muito afim, mas se aproximou das outras garotas com uma amiga do lado.
A noiva depois de brincar um pouco joga o buquê. Este bate na mão da menina mais alta e cai no chão ao lado dos pés Della. Num impulso Ella abaixa e pega o buquê, mas no momento de levantá-lo, outras duas meninas o seguram.

Ella pede para menina mais próxima para soltar o buquê e a mesma solta. Neste momento a segunda menina, entrelaça seus dedos entre as rosas do buquê, enquanto Ella está segurando o caule.
Ella puxa suavemente o buquê, o que faz com que a segunda menina, segure as rosas ainda mais forte e lança-lhe um olhar ameaçador, que poderia ser entendido como: “se você puxar, vai ficar apenas com os caules nas mãos”.
“Este buquê é meu” diz Ella e puxa mais uma vez, um pouco mais forte. No mesmo instante em que ouve o DJ, pedindo para a moça que pegou o buquê, ir até a noiva.

Ella não sabe bem o que aconteceu, mas pensou que, para ficar com o buquê teria de ser agressiva. Coisa que sabe ser, mas não em momentos assim, não por estes motivos. Então suavemente e lentamente Ella soltou o buquê.
E por alguns segundos, enquanto voltava para a mesa, ficou pensando: “se desistia de coisas assim o tempo todo”, “se não lutava pelo que tinha nas mãos” ou se simplesmente, “ainda não sabia o que realmente queria”.

E antes de se sentar a mesa, pensou: “é apenas uma brincadeira de casamento, era apenas um buquê” e riu.

Novas crônicas toda quarta-feira.