Pedro Galdino/ Creative Commons

Pedro Galdino/ Creative Commons

Ella nunca gostou de Carnaval. Nem dos desfiles e muito menos das músicas.
Com exceção das marchinhas de carnaval antigas, é claro! Pois acha, que marchinhas são divertidas e inocentes.

Na verdade, Ella sempre curtiu o feriado de Carnaval (isto sim, a única coisa boa, que o Carnaval oferece!). E viajava para lugares distantes, onde não pudesse nem ouvir falar de Carnaval. E “pulava” os 4 dias dentro de uma deliciosa piscina; ou no mar; ou na rede; ou lendo um bom livro; ou com amigos etc.

Desta vez, Ella escolheu passar o feriado, numa cidadezinha no interior, junto com suas melhores amigas. Ao chegar na pousada, foi super bem atendida. Mas ao entrar no elevador, qual não foi surpresa (e espanto), ao saber que 3 blocos de carnaval, das cidades vizinhas iriam passar também na cidade?

Ella quase surtou. Mas era tarde. A reserva foi paga com antecedência, Ella estava exausta para desistir e procurar outro lugar, o jeito era aceitar. No entanto, suas amigas, vibraram com a possibilidade de pular carnaval, em um bloco de rua bem tradicional.

No dia seguinte, Ella e suas amigas foram conhecer melhor a cidade. Almoçaram em um bom restaurante, andaram pelas ruas e praças. Entraram em lojas e até deram uma olhada na programação do cinema local.

Ao entardecer, todas estavam prontas para pular o carnaval de rua e se divertir muito, menos Ella.
Após muita insistência e discussão, Ella cedeu e foi se produzir para o Carnaval. Uma das amigas a maquiou e outra lhe emprestou uma linda máscara negra com paetês.

Enfim, Ella se animou e todas chegaram sorrindo muito e cantando as marchinhas, acompanhando o bloco pelas ruas.

Em determinado momento, no meio de tanta euforia, Ella sente um “cutucão” em seu ombro esquerdo. Ao virar-se, não viu ninguém. Automaticamente olhou para o lado direito e viu Elle, também de máscara, sorrindo pra Ella.
Sem que Ella pudesse pensar em nada, também sorriu. E Elle que já estava bem perto, se aproximou ainda mais, segurou seu rosto suavemente e aproveitando a deixa da marchinha: “vou beijar-te agora, não me leve a mal, hoje é carnaval“, a beijou com paixão.

Ella retribuiu o beijo e achou fantástico. Mas havia algo de estranho em seu toque e no seu beijo. Ella conhecia. Então, Ella se afasta bruscamente e mesmo de máscara, agora o reconhece perfeitamente. Elle foi um “caso” de muitos anos atrás. “Que coincidência mais maluca” pensou. Ella era terrivelmente apaixonada por Elle, mas na época, Elle só queria curtir.

Elle a havia reconhecido no meio na multidão. E como já tinha passado alguns anos, desde que se viram pela última vez, e era Carnaval, achou que seria divertido “ficar” com Ella de novo. Ficou impressionado em vê-la, num bloco de rua sorrindo como nunca, coisa que Elle nunca viu.

O beijo foi maravilhoso. Elle estava lindo como sempre. Ella não podia acreditar que Elle estava ali, na sua frente. E que a havia reconhecido, no meio de tanta gente. Lembranças boas e ruins vinham a sua mente, mas Ella não conseguia falar nada, apenas o olhava e olhava sem parar.

A música mudou. As pessoas iniciaram brincadeira, dando as mãos. No meio da bagunça, os dois foram separados. Um outro homem segurou em sua mão, para unir a todos numa grande roda. Elle foi ficando cada vez mais distante, até Ella o perder de vista.

No meio da folia, a grande roda foi desfeita e todos soltaram as mãos.
Juntos cantavam e pulavam:
Todo carnaval tem seu fim, e é o fim, é o fim!
Deixe eu brincar de ser feliz
“.

O homem ainda segurava sua mão, sorria e a chamava pra se divertir. Ella então, se entregou de vez ao Carnaval.

Novas crônicas toda quarta-feira.

Leia também: