Hoje lanço meu 11º livro. E o primeiro de poesias. Como em tudo que me meto a fazer serão 50 poemas de humor.

O livro chama-se Poesihahaha, foi editado pela Patuá, e traz a apresentação do poeta Glauco Mattoso.

Convido todos a irem, a partir das 19 horas, ao Patuscada. Haverá farta distribuição de gargalhadas, gaitadas e risotas.

POESIA, NUMA HORA DESSAS, SÓ RINDO

Déficit por todas transações correntes
Saldo negativo em milhares de bilhões
Baixa presença da mulher na política
Liberdade de expressão ficando afônica

Poesia, numa hora dessas, só rindo

Um Ministério da Transparência opaco
Bitributação para todos os gostos
Bebê baleado no colo da mãe
E essa tacanheza comendo solta

Poesia, numa hora dessas, só rindo

Um golpe, do nada, pra chamar de seu
Um trânsito de matar e de enterrar
Burocratas permeando tudo e todos
E o lixo: o lixo é o lixo é o lixo

Poesia, numa hora dessas, só rindo

A paixão por líderes individuais
Pastores, gurus, reverendos, ministros
Vai levar à uma viagem sem volta
Bem antes da entrega de chaves do inferno

Poesia, numa hora dessas, só rindo

O IPTU, o PIS PASEP, COFINS
E, lá pelos confins das letras miúdas,
Sentado num gigantesco trono – o SUS
Que, olhando bem, já é assim meio susto

Poesia, numa hora dessas, só rindo

Eu só queria ter um milhão de amigos
E, lá no Meio Norte, eu saber contar
Só digam onde esconderam as escolas
Em que céu azul celeste ou azul escuro

Poesia, numa hora dessas, só rindo

Poesihahaha!