Vladimir Malyutin on Unsplash)

Pingos, pitadas, bagatelas, ninharias, pouquidades, poucochinhos, irrelevâncias, tantitos, grãos, nadinhos e salpicos de pequenos pensamentos.

 

– Hoje, até rosa está cobrando para perfumar o ambiente.

– As principal condição humana era a mortalidade. Hoje é estar na fila errada.

– O capitalismo deve ser um tipo de comunismo, já que também não funciona.

– Prece do político brasileiro: “Deus, dai-me a honestidade, mas não agora.”

– Em Brasília, sem popularidade, não se atravessa nem uma superquadra.

– Infelicidade: passar a vida inteira em busca da felicidade.

– Se o Brasil fosse um bicho seria o tamanduá: cabecinha num corpão?

– Cigarro eletrônico provoca e-câncer?

– Millennials: seres compostos de cabeça, fone de ouvido, tronco e membros. Tudo orgânico

– Nenhuma ilha é um homem.

– Todas as artes são irmãs. Exceto a comédia, essa bastarda.

– Vivia tão adiantado no tempo que, para manter a coerência, teve que se suicidar.

– Nossa epidemia mais grave ainda é a síndrome da fadiga crônica.

– Mais inquestionável que uma autópsia.

– Lagartixa, aquele crocodilo com baixa autoestima.

– Barba: gramado do rosto.

– Eu acredito em tudo, menos na fé.

– Velho passa vontade, passa vergonha, passa necessidade. E, depois de tudo, ainda passa dessa pra pior.

– A sopa de letrinhas tem uma vantagem sobre Finnegans Wake: ela faz sentido.

– Mito é uma religião que não cobra dízimo.

– O artista é lembrado pelo que interpretou do mundo, o crítico pelo que interpretou de errado.

– Quem disse que o reino vegetal não discrimina? E o preconceito de raiz?

– Está próximo o dia em que o medo vai começar a ter medo.

– Não dê o peixe, ensine pesca submarina no Caribe.

– Realizei um sonho. Ontem me mudei para uma TV decorada com janelas, portas, sofás e cadeiras.

– Livraria: local onde fotografa-se livros com o celular para depois comprar mais barato na internet.