“Não sei porque a minha avó fica dizendo, o tempo todo, que está sentindo cheiro de mato queimado na praia.”

(Unsplash – Jens Lelie)

A praia é um lugar onde tem sol, areia, água e ondas.

A praia também tem latinhas de refri, pedaços de garrafas PET, bitucas de cigarro, pessoas gordas e vermelhas, cachorros correndo muito felizes e bicho geográfico.

Se a gente cutucar a areia pode achar ainda mais coisas: sirizinhos, caranguejos, minhocas pra isca e cocô.

Venta muito no mar. Quase não dá pra sentir cheiro. Não sei porque a minha avó fica dizendo, o tempo todo, que está sentindo cheiro de mato queimado na praia.

Eu vim com a minha família passar o feriado no mar. Foram umas 15 pessoas e o vovô que agora está voltando pra São Paulo. Pra falar a verdade, não entendi muito bem o que aconteceu. Estava um calorão, mas começaram a gritar que o vô estava frio. Daí rapidinho o enfiaram numa caixa de madeira bonita e o mandaram de volta pro Jardim Euriclides.

Meu pai falou que era pro pessoal beber o meu avô. Quando a caixona de madeira foi pra dentro do porta-malas do ônibus começaram a fazer o churrasco. Meu tio mais novo pegou uma pistola do meu pai e deu uns tiros pra cima. Sem querer acertou o eletricista que estava consertando os fios da frente do sobrado.

O que eu achei engraçado é que o eletricista não caiu do poste. Ele ficou lá em cima, tirou do bolso uma pistola igualzinha a do meu pai e começou a tentar acertar todo mundo que estava no churrasquinho.

Ficou aquele tiroteio um tempão e não morria ninguém. Eu cansei e fui jogar videogame na sala. Como só tinha FIFA, me enchi e voltei pra fora porque eu gosto mesmo é de jogo de tiro.

Estranhei o eletricista dormindo no meio do quintal. Fazia aquele calorão e começaram a dizer que ele também estava frio. Vai entender.
Meu pai falou pra comprarem outra caixa de cerveja porque o pessoal tinha que beber o eletricista.

Os meus primos foram até a vendinha e trouxeram uma caixa cheinha. Quando entregaram pro meu pai falaram que um monte de polícias estava vindo pra pegar ele, meu tio mais novo e o eletricista frio. Iam levar todos pra algum lugar que não me lembro o nome agora. Meu pai falou um palavrão e levantou a pistola pra cima.

Fui jogar o videogame na sala. Mas é sempre assim, quando começo o FIFA logo vêm as balas lá fora. E eu prefiro tudo o que tem tiro.

Sai pro quintal e olhei pra calçada: estava tudo cheio de PM’s. Tinha até um cachorro igual ao que eu vi correndo muito feliz na praia, só que esse era bravo.

Acabou que a gente teve que ir com o cachorro e os polícias. Só deixaram a minha avó em casa porque ela tinha que fazer alguma coisa com meu avô que continuava na caixa de madeira, só que na vila onde fica a nossa casa lá em São Paulo.

Meu pai e meu tio mais novo assinaram um monte de papéis. E parece que nós vamos passar o feriado aqui com o cachorro.

Depois de um monte de tempo me deixaram dar uma volta na areia. Fiquei lá em pé, pensando no meu feriado. Veio uma ventania assim, do nada. E, na hora, dei razão pra minha avó: às vezes, a praia tem mesmo cheiro de mato queimado.