De uma hora para outra, Mamãe Pig passou a ter um comportamento bem diferente de antes. Principalmente em relação à saúde. Deu para controlar a lactose e o glúten de tudo o que ingeria. Também ficava exigindo que os outros à sua volta fizessem o mesmo. Peppa e George, por serem crianças, foram poupados. Sobrou para o Papai Pig.

“Você é um relapso, vive chafurdando por aí e pondo pra dentro de seu organismo qualquer porcaria que encontra pela frente”, declarava ela, cada vez mais histriônica.

O marido tentava se defender explicando que, afinal de contas, eram todos porcinos. Tudo em vão.

“Quer cair duro como um pacote antes de o levarem pro frigorífico?” – argumentava uma Mamãe Pig irreconhecível.

As cismas só foram piorando. Queria que o Papai Pig entrasse numa academia, perdesse massa corporal e fizesse plástica no abdômen.  Dessa vez, ele protestou:

“Plástica na pança que sempre me orgulhei de ostentar?  Você enlouqueceu!”

“Não grita comigo! O George e a Peppa estão dormindo!”

E assim foi, com Mamãe Pig radicalizando mais e mais.

Ela acabou abandonando o “home office” e descolando uma coelha-babá, chamada Dizzy, para cuidar das crianças. E, depois de muito conversar com a terapeuta, resolveu investir num velho sonho: tornar-se DJ.

Nos últimos meses acabou ficando pouquíssimo tempo em casa. Ser a DJ Rose Pig exigia que ela trocasse o dia pela noite.

Papai Pig seguia na mesma toada. Apesar de matriculado numa academia, faltava demais às aulas e deu para beber. Essa mesma displicência e os porres acabaram fazendo com que ele perdesse o emprego.

A Mamãe Pig DJ, por outro lado, colecionava feitos profissionais. Uma noite, voltando meio alta de uma “happy hour” com as mães de Dani Cão, Pedro Pônei e Emily Elefante, veio refletindo no táxi. Não havia mais clima para continuar aquele relacionamento. Papai Pig só regredia, as colegas estavam todas anos-luz à frente dela em termos amorosos. E, de mais a mais, havia aquele “detalhe importante” que não podia revelar ao pai de seus filhos…

Chegando à casa no alto da colina, encontrou o esposo, obeso e relaxado, roncando feito um porco em cima do sofá da sala.

O pilequinho ajudou-a a dizer quase tudo o que estava preso na garganta.

“Papai Pig, quero o divórcio!” – guinchou.

“Oinc!” – assustou-se o esposo. “Como assim? E a casa, os filhos?”

“Quero o divórcio, só isso!” – repetia ela.

Ele subjugou-a contra a parede e implorou:

“Tudo bem, mas quero a verdade!!”

Mamãe Pig desvencilhou-se dele, desamassou seu vestido de paetês e declarou:

“Estou saindo com o pai da Candy Gato. Ele se separou da mulher. Mas podemos ser amigos, querido.

O suíno aboletou-se pesadamente sobre um pufe, em choque. Perguntou à mulher, num fio de voz:

“Mas e a próxima temporada da série, como fica?”

Antes de sair rumo à uma discotecagem numa casa noturna recém-inaugurada, Mamãe Pig respondeu:

“Vida é vida, ficção é ficção. Além do mais, o nosso contrato com a TV é de cinco anos.”