Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Antes de ir à praia, tivemos que cumprir com a burocracia americana. Fomos ao USDA (Departamento de Agricultura), que fica próximo ao aeroporto de Miami. Por telefone, tinha sido informada que bastava ir lá com o atestado de saúde, que o documento sairia no mesmo dia.  Porém, chegando lá, descobri que esse documento demora 24 horas para ficar pronto e é preciso pagar U$ 38,00 + taxas. Esse valor deve ser pago em um local específico há alguns metros do USDA.

Resumindo, terei que voltar lá para pegar o documento final. Você pode estar pensando “ah, antes de embarcar, passa e pega o documento”. Nã-na-ni-na-não. O USDA fecha às 15h e o voo é só às 20h. Então eu vou ter que ir até lá, buscar o documento, voltar para o hotel e só depois embarcar. Precisa de muita boa vontade para viajar com o pet!

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Hoje pude realizar um sonho do Stitch: conhecer o mar. Por isso, fomos até Key Biscaine, que é um conjunto de ilhas próximas ao sul de Miami Beach. Já na primeira ilhota, um pouco antes do aquário de Miami, há uma praia onde os animais são bem vindos.

Apesar da estreita faixa de areia, é uma praia que lembra o Caribe, com água cristalina e pouco profunda. Não há serviço de praia, por isso você deve levar sua cadeira ou canga e bebidas, se desejar.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

O Stitch entrou no mar, na parte bem rasinha, se molhou e já voltou para a sombra do coqueiro. O sol não estava para brincadeira.

Com o sonho realizado, fomos conhecer o hotel Fontainebleau. Além dos cães serem bem vindos, eles recebem tratamento vip. Se hospedando lá, você pode ficar despreocupado, pois eles oferecem os serviços de dog walker e pet sitter. Mas se você quer passear com o peludo, você pode levá-lo em uma área exclusiva para cães, próxima a praia.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Nas horas mais quentes do dia, você pode fazer compras para o pequeno, dentro do próprio hotel. Há várias lojas. Fomos a uma e o Stitch ganhou coleira com identificação e cata caca, ambos com o logo do hotel.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Saindo de lá, fomos visitar outras praias. Paramos no North Shore Open Space Park. Lá encontramos o Coyo e sua dona, a Gabriela Gonzalez. Ela mora em Miami, mas namora um brasileiro, por isso fala português perfeitamente. Ela contou que aos domingos, há uma área onde os cães podem ir, curtir a praia e até entrar no mar. Nos outros dias, é proibido ir com cães. A não ser que seja um cão de serviço (cão guia).

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Nos EUA os cães de serviço não são apenas para cegos, mas para quem sofre de ansiedade. O Coyo, por exemplo, é um cão de serviço. A Gabriela tem uma licença que permite que ela vá com o cão para todos os locais, incluindo praias.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Para quem não tem essa licença, a opção é ficar no parque de cães, que é uma área cercada, ao lado da praia. Pela primeira vez vi um parque que separa cães por tamanho. São dois cercados diferentes com entradas distintas. O Stitch, com seus 3 kilos, adorou essa separação.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Seguimos para o norte e não achamos mais nenhuma praia que pudesse levar cães, apenas parques (áreas cercadas) próximos ao mar. Parece que há outras praias que aceitam cães durante a semana, mas ainda não consegui acha-las. Assim que tiver notícias, volto para contar.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Enquanto isso, curta @luizacervenka no Instragram e veja mais fotos e vídeos.