Ilaria/Creative Commons

Ilaria/Creative Commons

Patas molhadas, base do rabo avermelhada, barriga arranhada, falta de pelo e excesso de coceira podem ser sinais de estresse.

É comum o animal chegar ao consultório veterinário com os pelos das patas de cor diferente do corpo, como se estivesse queimado. Isso ocorre quando o animal passa longos períodos lambendo patas. Alguns chegam até a roer as unhas e retirá-las. Outros podem morder o rabo e região, deixando em carne viva. Esse comportamento não é só em cães.

J. Triepke/Creative Commons

J. Triepke/Creative Commons

Os gatos tem o hábito comum de se lamber (“tomar banho”). Porém, quando o felino passa horas e horas nesse comportamento, principalmente nas patas e barriga, fique com as orelhas em pé, pois há um problema.

Indícios que seu animal está se lambendo mais do que deveria

Se você chegar em casa e o pelo de uma ou duas patas, ou mesmo uma única parte do corpo, estiver molhada;

Se a coloração do pelo da pata mudar;

Se começar a falhar pelo em uma única região;

Se ele der muita atenção para a pata ou rabo;

Se tiver ferida localizada;

Se ele lamber mais uma área do que as demais;

Se, quando sem atenção, ficar “cutucando” uma região específica;

Se tiver alteração do cheiro da pata ou pele.

E agora, o que eu faço?

Arctic Wolf/Creative Commons

Arctic Wolf/Creative Commons

Se um desses itens é o seu caso, não se desespere. A primeira coisa a fazer é levar ao veterinário. Há diversas doenças que podem aumentar o comportamento de lambedura.  “Alergias são os principais causadores de lambedura. Pode ser por picada de ectoparasitas (pulgas e carrapatos), atópica (ambiental) e até alimentar. Dores podem desencadear esse comportamento também” explica o médico veterinário dermatologista Reinaldo Garrido da clínica Strix.

Como prevenir pulgas e carrapatos

Dr Garrido explica que ao observar qualquer alteração de comportamento do animal, o proprietário deve leva-lo imediatamente ao veterinário. “Muitas vezes o paciente chega em estágio avançado da lambedura. O quanto antes procurar auxílio, menos o animal sofrerá” comenta o veterinário.

Michael Beck/Creative Commons

Michael Beck/Creative Commons

Apesar de parecer inofensivo, esse tipo de comportamento pode ter consequências graves. “A lambedura pode causar uma ferida na pele, que vira uma infecção. Pode haver contaminação por bactéria, inclusive da própria boca do animal. Em casos gravíssimos, a longo prazo, a infecção pode chegar a acometer o osso” alerta dr Garrido.

Se seu peludo não está com dor ou alergia, mas continua lambendo a pata, pode ser estresse. Mesmo não pagando contas e não tendo chefe, os animais podem desenvolver quadros de depressão e ansiedade.

Uma das ansiedades mais comuns é a ansiedade de separação. Não sabe o que é isso? Descubra se seu pequeno sofre disso. Esse tipo de problema comportamental é intensificado quando o proprietário passa longos períodos longe de casa.

PROMelissa Wiese/Creative Commons

PROMelissa Wiese/Creative Commons

Assim como os humanos roem unhas quando tensos, os cães e gatos lambem patas para tentarem se acalmar. O tédio é um dos maiores vilões para esse tipo de comportamento. Mesmo morando em uma casa grande com quintal, o cão precisa passear e ter coisas gostosas para roer. Cenoura, maçã (sem caroço) e coco verde são ótimas opções para todas as raças.

Os gatos, apesar de preguiçosos, também precisam de atividade. Mesmos aqueles que parecem felizes quando sua rotina é comer e dormir, podem sofrer com a falta do que fazer. Ensine seu pequeno a brincar. A melhor forma de fazer isso é estimulando com um brinquedo com petiscos dentro.

PROzaimoku_woodpile/Creative Commons

PROzaimoku_woodpile/Creative Commons

Maria José Santos, dona de casa, percebeu que sua gatinha Yummy estava perdendo muitos pelos, se lambendo e coçando demais. Com o tempo, o comportamento intensificou e Yummy começou a arrancar os pelos com a boca até formar feridas. “Só sobrou pelo onde ela não conseguia alcançar com a boca e com a pata. Iniciou com a chegada de um filhote de gato” explica a proprietária. Desesperada, sem saber o motivo desse comportamento, Maria José buscou ajuda da médica veterinária de felinos, Vanessa Zimbres.

Foto: Vanessa Zimbres

Foto: Vanessa Zimbres

 

Foto: Vanessa Zimbres

Foto: Vanessa Zimbres

O diagnóstico: dermatite psicogênica. Traduzindo: estresse! Apesar da aparência feia, não havia nenhuma doença ou infecção associada. Não precisou de antibióticos e nem antiinflamatórios. Com antidepressivo e o enriquecimento ambiental, ratinhos e brincadeiras, a Yummi parou de se lamber excessivamente. Hoje, os pelos já voltaram a crescer e ela pode desfilar com sua bela pelagem brilhante. “A gente que pega muito bicho, acaba deixando os mais velhos de lado. Agora Yummy só dorme dentro de casa” confidencia Maria José.

O que fazer se meu cão/gato está de lambendo?

OakleyOriginals/Creative Commons

OakleyOriginals/Creative Commons

Dar mais atividades é a principal solução para o tédio. Passeie pelo menos duas vezes ao dia, deixe desafios ou petiscos escondidos em caixas. Dê preferência por brinquedos que durem mais tempo. Para não gastar muito dinheiro, faça brinquedos em casa. Use sua criatividade!

Dicas para rotina saudável para cães e gatos

O animal deve ter o que fazer na sua ausência. A diversão não pode estar relacionada a sua presença, apenas. Há diversas opções, como day care ou creche, passeadores e pet sitter. São alternativas para ter certeza que seu pet estará bem, mesmo sem você.

Nos encontramos na próxima sexta-feira, com a Agenda Animal. Até lá!