Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Uma das maiores reclamações dos donos de cães e gatos é o famoso bafinho. Para aliviar o mau cheiro na boca, alguns dão ossinhos, outros escovam os dentes e há aqueles que levam ao veterinário para fazer a limpeza de tártaro. O que é o mais correto a se fazer? O que é o mais eficaz?

Para sanar todas essas dúvidas, veterinários estudados em odontologia animal foram ouvidos. Há divergências sobre alguns procedimentos e sobre a eficácia de alguns produtos. Mas o que foi unânime em todos os profissionais: ESCOVAÇÃO DIÁRIA.

Para um filho humano, escovar os dentes todos os dias, após cada refeição, é uma obrigação. Porém, quando se fala em cachorro e gato, não imaginamos que seja algo tão importante.

O que causa o mau hálito?

Foto: Fernanda M Lopes Kubtza

Foto: Fernanda M Lopes Kubtza

Há muitas bactérias na nossa boca, mais de 300 espécies. Na dos animais não é diferente. O mau hálito nada mais é do que o produto do metabolismo dessas bactérias. A médica veterinária Fabiana Zerbini, gerente técnica da Virbac, explica que, quando fica resto de alimento na boca, as bactérias comuns fermentam esse alimento. O cheiro desagradável vem dos compostos sulforosos voláteis, mais conhecidos como enxofre.

Esse cheiro pode esconder um grave problema. Não adianta dar petiscos com sabor menta. Isso só irá mascarar o cheiro por alguns minutos e depois tudo volta ao normal. Doenças hepáticas, estomacais e renais também podem causar bafinho. O mais importante é buscar o médico veterinário para descobrir o motivo.

Cães e gatos tem cárie?

Não é comum que animais tenham cárie. Eles têm o PH da boca mais ácido, dificultando esse tipo de doença. Porém cães que consomem doces (não pode!) ou alimentos pastosos tem maior probabilidade a ter cárie.

Quais as consequências do tártaro?

O tártaro nada mais é do que o acúmulo de alimento, cristalizado pelo cálcio presente na saliva. O excesso desse tártaro pode facilitar a proliferação de bactérias, que, por sua vez, podem cair na corrente sanguínea e parar em outro órgão, como o coração, piorando uma doença pré-existente.

Produtos para ajudar na prevenção do tártaro

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Escova de dente

Para escovar os dentes do pequeno, você vai precisar de uma escova de dente. Há algumas específicas que vendem em pet shop. A mais comum é aquela com duas cabeças, uma maior para cães de grande porte, e uma menor para os peludos de pequeno porte. Porém, você também pode utilizar escovas de criança com cerdas macias, dessas que podem ser compradas em farmácias e supermercados.

Pasta de dente

A pasta para os animais é diferente da humana. As que vendem em farmácias e supermercados contêm sabão e muito flúor. O peludo não enxágua a boca como os humanos e irá engolir todo produto que for colocado na escova ou na própria boca. Por isso, ela deve ser específica para cães e gatos. Além disso, muitas pastas têm uma enzima que é mais um abrasivo para auxiliar a remover a placa bacteriana. Você pode escolher o sabor que seu pet mais gosta, para deixar a escovação mais prazerosa.

Ossinhos

Muitos ossinhos e alimentos duros, como cenouras e coco verde, ajudam a evitar o acúmulo de placa bacteriana nos dentes. Cuidado para não dar osso cru muito duro, como fêmur de boi. Esse tipo de alimento pode facilitar a fratura do dente.

Petiscos odontológicos especiais

Foto: Clovis Anseloni

Foto: Clovis Anseloni

Para complementar a escovação, existem os petiscos com formatos especiais que auxiliam na prevenção do tártaro. Alguns desses produtos dizem na embalagem que removem o tártaro, mas ao conversar com veterinários, descobri que não é verdade. “Não há nada que remova o tártaro por completo. Uma grande parte do alimento é acumulada embaixo da gengiva e só pode ser removido com a limpeza do tártaro feita pelo veterinário” informa Clovis Anseloni, diretor executivo da Kelco. Anseloni oferece os ossos Keldog Dental para seus cinco cães, como petisco e distração, mas não abre mão da escovação diária.

A médica veterinária Fabiana Zerbini concorda que nada é eficaz como a limpeza feita por um veterinário estudado em odontologia. Fabiana comenta que o petisco Veggie Dent da Virbac em formato de “Z” possui o complexo enzimático C.E.T. Além de auxiliar na remoção mecânica da placa bacteriana, devido ao desenho, essas enzimas possuem uma ação química para deixar os dentes limpinhos e saudáveis por mais tempo. “Não adianta dar o Veggie Dent se não escovar os dentes” reforça Fabiana.

A partir de hoje, escove os dentes do peludo uma vez ao dia. É importante fazer um treinamento para que o pequeno se adapte a nova rotina, sem ficar estressado.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Passo a passo para criar o hábito da escovação:

1) Em momentos de brincadeira ou relaxamento, massageie a região do focinho do animal.  Quando ele permitir, com o dedo, massageie dentes e gengiva. Após o êxito do treinamento, recompense com petisco, passeio, brinquedo ou mesmo carinho;

2) Quando ele já permitir a manipulação da boca, introduza a pasta de dente específica para animais. Utilize seu dedo para massagear dentes e gengiva e recompense com a pasta. Coloque a pasta no dedo e passe nos dentes. Esse momento deve ser sempre agradável para o animal;

3) Com um dedal, repita o passo 2. Se ele morder, continue a brincadeira, esfregando de leve os dentes e gengivas;

4) Ao estar habituado ao ritual com o dedal e a pasta de dente, introduza a escova de dente. Deixe-o brincar com a escova e mordê-la. Passe a pasta na escova e deixe-o brincar mais. Recompense a brincadeira com carinho;

5) Pegue a escova, coloque a pasta e escove primeiramente os dentes laterais. Quando ele permitir, escove os dentes da frente e os do fundo pelo lado de fora. Se ele estiver bem adaptado, pode tentar escovar a área interna dos dentes, próximo à língua. Sempre recompense após cada escovação. Alguns proprietários preferem escovar os dentes antes do passeio. O animal já fica condicionado a passear só quando permitir a escovação.

Além da escovação ser uma prevenção a doenças periodontais, é uma forma de observar qualquer possível problema na boca, como nódulos, inflamações ou mesmo tártaro.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Como saber se meu pet está com problemas na boca?

– falta de apetite

– gengiva inflamada

– dente escurecido

– aumento de volume em qualquer área da boca, incluindo língua

– coçar muito a região do focinho

– derrubar ração

– chorar ao comer

– mastigar mais com um lado que com o outro

– sangramento

– ao manipular a boca, se o animal reclamar ou sentir incômodo, leve ao veterinário.

Por que devo buscar um especialista em odontologia?

Foto: Fernanda M Lopes Kubtza

Foto: Fernanda M Lopes Kubtza

A médica veterinária Fernanda M. Lopes Kubtza, especializada em odontologia, ressalta que os especialistas farão um exame bem detalhado. “O que diferencia o tratamento de um clínico geral e de um especialista é o uso de radiografia intra oral. Com esse exame é possível diagnosticar lesões, dentes que não erupcionaram, fragmentos de raiz dentro do osso e problemas que não são possíveis de observar apenas olhando a boca” exemplifica Fernanda.

O que é o tratamento periodontal?

Na famosa limpeza de tártaro, os dentes são raspados, removendo o tártaro, e polidos. “Como os animais são levados para fazer esse tratamento em estágio bem avançado da doença, é comum que haja a necessidade de fazer extração de dentes ou até canal” alerta Dra Fernanda.

Assim como nos humanos, os cães e gatos velhinhos não devem perder os dentes. “Quando é feita a escovação corretamente e outros tratamentos preventivos que envolvem a saúde bucal, os animais passam pela velhice com todos os dentes na boca” finaliza Fernanda.

Sei que dá trabalho, mas é pela saúde dos nossos peludos. Escove os dentes todos os dias.

Domingo, dia 04/10, é comemorado o dia dos cães. Para celebrar essa data, teremos muitos eventos. Por isso, não perca a Agenda Animal desta sexta-feira, dia 02/10!