Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

Em pleno século XXI, ter gato ainda é um tabu. Muitos acreditam que eles são individualistas e até traiçoeiros. Pura besteira! Quem tem gato sabe o quanto são fofinhos, carinhosos e super apegados aos donos.

10 mitos sobre cães e gatos

Dizem que os gatos são os animais do futuro, pois conseguem viver em pequenos espaços. Mas será que o espaço que você oferece a ele o deixa feliz e estimula todas as capacidades de felino?

Mesmo entre as pessoas que gostam de gato, a palavra gatificação ainda é desconhecida. Nada mais é do que adequar um espaço, ou mesmo uma parede para as necessidades dos bichanos. Criar um ambiente verticalizados poderá trazer inúmeros benefícios aos pequenos. Além de diverti-los, irá propiciar comportamentos instintivos dos felinos. Tenha certeza que eles serão mais felizes e passarão longe do estresse e da depressão.

Benefícios da gatificação

Foto: Pepe Cats

Foto: Pepe Cats

O médico veterinário Alexandre G T Daniel é especialista em felinos. Ele explica que é fundamental entender a natureza do comportamento do gato, bem como tentar reproduzir o ambiente no qual os bigodudos  viviam na natureza. “Gatos possuem certas necessidades de enriquecimento ambiental, como locais para descanso, locais onde possam se esconder, dormir, ter acesso a superfícies horizontais, verticais e elevadas” completa.

Pode parecer besteira, mas os gatos precisam ter acesso às “três dimensões” do ambiente, além de locais para arranhadura. Ao não respeitar essas necessidades do gato ou não permitir o acesso à todas elas, poderemos nos deparar com problemas comportamentais e até de saúde.

Caso Snow: gatificação foi a solução para brigas

Em uma noite de janeiro, a economista Fernanda Ferber foi buscar uma pizza na portaria do seu prédio. Quando percebeu, tinha uma gatinha branquinha entre suas pernas. Sem saber o que fazer, levou a gatinha para casa, desejando que alguém quisesse adotá-la.

O lar temporário se tornou permanente. Com o passar do tempo, Fernanda achou que a pequena Snow estava triste e resolveu adotar uma companheira felina, chamada Filó. Em pouco tempo começaram as brigas entre as fêmeas.

Fernanda correu para buscar orientação com o veterinário. Este, indicou mais atividades às gatas. A economista passava o dia fora e mal tinha tempo de brincar com as peludas. Foi então que conheceu uma marca especializada em móveis para gatos. Mandou as fotos de um ambiente e solicitou o projeto.

Foto: Ronron

Foto: Ronron

Enquanto os montadores instalavam os móveis na parede, as gatas já começaram a escalar. Em menos de uma semana, as duas mudaram o foco e pararam com as brigas. “Elas não são as melhores amigas, não dormem juntas, mas brincam de forma saudável, sem brigas” conta Fernanda.

Em briga de gato e cão, gatificação pode ser a solução

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

A publicitária Carolina Zanni é apaixonada por gatos desde sua adolescência. Sempre teve mais de um bigodudo. Quando casou, resolveu levar apenas dois persas para a nova casa. Mas não demorou muito e adotou mais cinco peludos. Voluntária da ONG Adote um Gatinho, transformava os gatos de lar temporário em filhos permanentes.

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

Até que um dia, ela e o marido quiseram mudar a espécie e adquiriram a Ricota, uma Bull Terrier muito esperta e agitada. Com tantos gatos em casa, a Ricota queria brincar com todos e cheirar, e amassar e apertar até eles miassem. Assim, instalou-se o caos na casa.

Foi preciso contratar um especialista em comportamento animal para resolver a relação entre cão e gatos. A primeira sugestão do especialista foi gatificar o apartamento. Os gatos ganharam muitos esconderijos suspensos, prateleiras para poderem caminhar pelo apartamento de forma segura e rotas de fuga entre sala e quarto.

Foto: Ronron

Foto: Ronron

Claro que também foi feito um trabalho de adestramento para ensinar a Ricota a interagir com os felinos. Hoje vivem todos em harmonia. Se algum está no seu dia rabugento, basta subir nas prateleiras, estantes e módulos feitos especialmente para os gatinhos.

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

Carolina afirma: “às vezes eles desistem de usar os móveis. Parece que perde a graça. Por isso, é preciso incentivá-los a subir, colocando petiscos ou mesmo com brincadeiras com a varinha”.

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

Opção para todos os bolsos

Com tantos casos de sucesso, não há dúvidas sobre os benefícios da gatificação. Porém, como fazer isso em casa? Tudo depende do seu orçamento e das suas habilidades manuais.

Seguindo o estilo DIY (Do It Yourself) americano, o famoso faça você mesmo, há diversas opções. Colocar prateleiras em uma parede, já ajudará bastante seu gatinho. Vamos tentar?!

Material:

  • 7 prateleiras de madeira (a de reflorestamento é a melhor, mas pode ser de pinus também) com pelos menos 45 cm de comprimento e 15 cm de largura;
  • 14 mãos francesas em “L” (aquelas reforçadas, para não ter acidente);
  • 3 metros de carpete ou pelúcia (carpete é mais fácil de limpar);
  • 6 metros de velcro adesivo macho e fêmea.

Como fazer?

Foto: Pepe Cats

Foto: Pepe Cats

  1. Corte o carpete ou a pelúcia do tamanho das prateleiras. Cole dois velcros, um em cada extremidade de cada corte de tecido, no sentido do comprimento. Faça o mesmo na prateleira. Grude, com uso do velcro, o tecido na prateleira.
  2. Marque onde serão os furos para as mãos francesas na parede, tentando formar uma pirâmide ou triângulo com as prateleiras. Comece com o topo da pirâmide. Marque a prateleira mais alta. A próxima será 50 cm a baixo e 20 cm a direita do topo. Siga o mesmo raciocínio com mais duas (50 cm para baixo e deslocada 20 cm a direita). Volte para a marcação do topo e comece a marcar as prateleiras da esquerda, 50 cm a baixo e 20 cm deslocada para a esquerda. Repita o mesmo processo com as duas últimas prateleiras.
  3. Com as marcações feitas, parafuse duas mãos francesas em cada prateleira. Com as prateleiras prontas, parafuse na parede, nas marcações já feitas. Em pouco tempo seus gatos já irão se aventurar nas alturas.
Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

Achou muito difícil? Calma que tem empresas que fazem tudo isso e mais para você.

Pepe Cats

Foto: Pepe Cats

Foto: Pepe Cats

Em 2012, Mariana Lovitto adotou o Pepe. Além de ser paraplégico, não conseguia urinar sozinho, precisando de ajuda constante para suas necessidades básicas. Para Mariana, toda adoção é especial e cheia de amor, mas com Pepe, foi uma ligação muito mais forte.

Além de toda a relação de amizade, essa adoção serviu como lição de vida para ela. Mariana abriu a empresa Pepe Cats, que trabalha com confecção de móveis para gatos. Além de garantirem diversão aos felinos, os móveis oferecem uma rotina cheia de atividade, vida mais saudável, longe da obesidade e outras doenças relacionadas.

Pepe, sem dúvidas, foi a maior inspiração para concretizar o sonho da empresa. “Buscamos a diversão e a saúde no dia a dia dos gatinhos, com móveis pensados especialmente para eles, mas sem esquecer do meio ambiente. Só usamos madeira de reflorestamento, que se adéqua à temperatura corpórea do gato” reforça Mariana.

Foto: Pepe Cats

Foto: Pepe Cats

Com os móveis, Mariana consegue levar para gatinhos especiais, e outros amigos felinos, uma rotina cheia de aventuras. Pepe ainda necessita de ajuda três vezes ao dia para o esvaziamento da bexiga e intestino, mas sobe, brinca, ronrona, corre e se diverte muito nos móveis.

RonRon

Foto: Ronron

Foto: Ronron

A empresa foi criada pelo designer industrial Frank Morais, em janeiro de 2012. Boa parte do repertório da RonRon foi produzida por ele mesmo, em anos anteriores à criação da empresa, para uso de seus próprios gatos.

A ideia nasceu de sua insatisfação com os arranhadores oferecidos no mercado. Queria peças multifuncionais, que agradassem aos bichanos (e realmente fossem usadas por eles para dormir, se exercitar e afiar as unhas). Queria também algo com apelo estético e que pudessem se integrar aos ambientes da casa e à decoração.

Foto: Ronron

Foto: Ronron

Partindo da observação dos hábitos de seus gatos, começou a desenhar peças com as características de móveis e locais preferidos dos bichanos. Percebeu que cada um deles tem um local diferente para dormir e uma preferência para arranhar. Assim, uns gostam de arranhar horizontalmente (os tapetes, por exemplo), outros de arranhar verticalmente, móveis baixos, como a base do sofá, e outros, ainda, preferem arranhar verticalmente, objetos mais altos, como os braços e o encosto do sofá (terror de todos os proprietários!). Mas todos, invariavelmente, gostam de escalar os móveis de casa e observar o movimento pela janela.

Desse “laboratório”, nasceram as primeiras seis peças, uma para cada gato. Assim, Frank criou uma página no Facebook para mostrar suas peças para os amigos e gateiros. O sucesso foi tão grande que passou a comercializar o mobiliário. Hoje a marca 57 produtos, entre camas, arranhadores, “árvores”, protetores de sofá, comedouros e uma linha completa de prateleiras de parede. Você pode solicitar um projeto adaptado ao espaço que necessita, de acordo com o tamanho do ambiente, criando um espaço muito divertido para entretenimento dos gatos.

Foto: Ronron

Foto: Ronron

O mais importante nos móveis para gatos é que eles estejam no local que você mais fica em casa. Os gatos têm uma natureza sociável e afetiva, gostam de estar sempre perto de seus donos e participar de sua interação com a casa, quer seja na sala, no quarto ou na cozinha. Qualquer projeto, seja ele feito em casa, ou encomendado, deve considerar isso. Agora, não tem mais desculpas! Gatos nas alturas!