smilla4/Creative Commons

smilla4/Creative Commons

Com o calorão que está fazendo, nada melhor que um ar condicionado para refrescar. Nossos pets peludos não ficam de fora e pedem para permanecer no ambiente refrigerado. Exatamente por esta razão, os casos de doenças respiratórias aumentam consideravelmente no verão. Por isso, é imprescindível que os tutores tenham mais cautela no uso de ventilador e ar-condicionado ao lado dos bichinhos de estimação.

Se para os seres humanos não é fácil enfrentar as altas temperaturas deste verão, para os pets, o problema pode ser ainda maior. Afinal, diferentemente das pessoas, a maioria deles é coberto por pelos, o que, quase sempre, piora a sensação de calor. Muitos donos procuram aliviar o sofrimento de seus bichinhos de estimação, utilizando pedras de gelo na água ou ligando ventiladores e aparelhos de ar-condicionado dentro de casa, por muito mais tempo do que o necessário.

A médica veterinária da Petz, Priscila Larrussa, explica que embora façam isso com a melhor das intenções, alguns tutores não sabem que tais medidas aumentam o risco de broncopatias entre os pets, principalmente os filhotes e idosos.

Segundo Dra Priscila, tudo indica que situações como essa têm sido bastante recorrentes, ultimamente, já que o número de casos de doenças como pneumonia e bronquite, registrado nas clínicas veterinárias, cresceu consideravelmente neste verão. “Problemas como estes, de origem bronco-respiratória, são mais comuns durante o outono-inverno. Concluimos que muitos dos pets atendidos com problemas desse tipo, nos últimos dias, foram expostos a baixas temperaturas por iniciativa das famílias. Portanto, é imprescindível conscientizar os tutores para terem mais cautela na hora de tentar refrescar os seus pets em dias de calor”, alerta a veterinária.

Erros comuns

Lottie/Creative Commons

Lottie/Creative Commons

A Dra Priscila explica que, apesar da pelagem, pets são mais sensíveis à hipotermia (baixa de temperatura corpórea) do que os seres humanos. Por isso, o contato prolongado com água excessivamente gelada, como banhos muito frios, faz com que eles fiquem doentes com mais facilidade.

Tosar o pelo também nem sempre é a melhor opção. Os cães, durante a primavera, trocam seus pelos densos de inverno por uma pelagem mais fresquinha para o verão. Tosar este pelo, pode facilitar a perda brusca de temperatura ou aumentar muito a exposição corpórea ao sol e causar hipertermia.

ejbSF/Creative Commons

ejbSF/Creative Commons

A exposição prolongada dos pets ao efeito de ventiladores e aparelhos de ar condicionado, oferece um sério agravante, quando utilizado em demasia: “Além de gerar um resfriamento corporal nocivo, depois de certo tempo, o ar condicionado em excesso retira umidade do ar e resseca as vias aéreas do animal. Isso gera fortes incômodos respiratórios, principalmente em animais braquicefálicos (focinho curto), e torna o pet ainda mais suscetível ao contágio de vírus e bactérias, capazes de originar os mais diversos tipos de doença”, afirma.

Resolvendo o calor

Jonathan Fredin/Creative Commons

Jonathan Fredin/Creative Commons

As dicas mais simples e baratas ainda são as mais eficazes.

  • ofereça um piso frio para que o animal possa deitar e refrescar a barriga
  • faça sorvete específico para ele, com suco de melancia ou melão, por exemplo
  • dê banho pela manhã e deixe-o secar no sol, na hora do almoço
  • evite passeios em horários quentes, como das 10h às 16h
  • mantenha o pet hidratado, oferecendo água fresca, em potes espalhados por diversos locais da casa
  • nos horários mais quentes do dia, ofereça uma bacia de água para que ele brinque e se refresque
  • se perceber qualquer alteração de comportamento, como desânimo ou falta de apetite, principalmente se acompanhar tosse ou espirro, leve o pet imediatamente ao veterinário.

Nada de dormir no ar-condicionado com ele, mesmo que seja debaixo das cobertas. Ele pode até gostar, mas nós sabemos o que é melhor para eles.