Nathan Rupert/Creative Commons

Temperaturas altas pedem algumas adaptações para que o seu cachorro possa manter a qualidade de vida

A época do ano mais esperada pelos seres humanos nem sempre é tão bem-vinda para os animais, especialmente os cães. No verão as altas temperaturas incomodam os peludos e é nossa responsabilidade amenizar a vida dos pets.

Quando o peludo está com calor, ele dá alguns sinais. Boca aberta o tempo todo, respiração ofegante e dificuldade para caminhar são comuns nessa época. Algumas raças mais sensíveis podem apresentar hipertermia, pressão baixa, vômitos, insolação e até mesmo câncer de pele.

Para evitar esses sintomas nos seus animais de estimação, é preciso adotar alguns cuidados.

Segundo a médica veterinária da Esalpet, Anne Karine Romanel, os bichos de estimação precisam de uma alimentação leve e de muita água. “Os animais sentem tanto ou até mais calor que os seres humanos. Em casa ou durante viagens, cães, gatos e outros bichinhos devem ter água à vontade, comida fresca e espaços para se abrigarem do sol forte”, explica.

Além disso, a veterinária destaca a importância de estar com as vacinas e vermífugos em dia. “Nesse período mais quente, os animais são levados para passeios em parques, regiões litorâneas, grama e mato, além do contato com pessoas diferentes do convívio diário. Por esse motivo, é importante que ele esteja com a saúde em dia”, diz.

A médica veterinária Keila Regina de Godoy, da PremieRpet separou alguns temas, para tomar cuidado nesta época.

Deixe água fresca sempre

RobinJP/Creative Commons

A água é a melhor forma de ajudar o seu pet nesse verão. A sede de cães e gatos pode aumentar com o calor. Por isso, a água deve estar sempre à disposição do animal. A dica é usar um recipiente maior ou colocar mais de um pela casa, para que ele possa se manter hidratado. Além disso, mantenha a água fresca, trocando-a com frequência.

Cubinhos de gelo podem ajudar a manter a água fresquinha e chamar a atenção do cão ou gato. É fácil e funciona como um incentivo à hidratação.

Felinos preferem água corrente. Para atender essa demanda, já existem no mercado bebedouros específicos para eles. Opte por usá-los, se possível.

Não permita que o pet beba água de piscinas. Ele pode tentar fazer isso se sentir muito calor, mas não é aconselhável, pois a água tem produtos químicos que podem causar vômitos e até gastrite.

Faça passeio em horários alternativos

Andrey Shkvarchuk/Creative Commons

As altas temperaturas podem desanimar você de sair ao ar livre, porém, é essencial persistir e continuar com a rotina de exercícios para que o pet possa liberar seus instintos naturais.

Para aliviar, os passeios devem ocorrer pela manhã, antes das 10h, ou no final do dia, após 17h. Nos horários de pico de sol, o cão pode sofrer com desidratação, insolação e suas patinhas podem se queimar.

Para garantir que não haja queimadura nas patinhas, coloque o dorso da sua mão no asfalto e conte até 5. Se não te queimar, está seguro para seu amigo.

Alimentação

Em casa, fique de olho na ração. Não deixe os alimentos do seu pet expostos por muito tempo. Se o pet não comer, retire o alimento e ofereça em outro momento. Não deixe a ração exposta o dia todo, pois sob altas temperaturas ocorre deterioração da qualidade. E sempre descarte as sobras, pois podem facilmente estragar após contato com água ou saliva do animal, já que a umidade facilita a fermentação.

Não fique alarmado se o pet demonstrar certa alteração de apetite. É normal que ele coma menos no verão e/ou opte por se alimentar no período da noite, quando as temperaturas estão mais amenas e ele se sente mais confortável.

Dê banho frio

Alexander Lemke/Creative Commons

A rotina de banhos dos cães também deve ser mantida. Não é preciso aumentar a frequência durante o verão, mas a recomendação é de utilizar água morna ou fria para esse momento.

Se o seu pet vai a pet shop para tomar banho, confirme qual é a temperatura da água utilizada e, se necessário, solicite o uso de água mais fria.

Tosa

A tosa higiênica ajuda na manutenção da limpeza do animal, além de auxiliar o frescor. Animais mais calorentos podem encostar sua barriga, sem pelos, no chão gelado e se refrescar.

Dizer que a tosa total de cães e gatos auxilia no calor é um mito. O peço, em muitas raças, atua como um isolante térmico. Por isso, tosar Goldens Retrievers ou Huskys pode fazer com que eles sintam ainda mais calor.

Faça petiscos gelados

Os petiscos são ideias para distrair e gastar energia dos cães. Para variar o cardápio e refrescar o seu pet, coloque um pouco de ração úmida ou frutas como maçã e melancia dentro do brinquedo e leve ao congelador. O seu pet vai se deliciar como se fosse um sorvete.

Deixe-o sobre o piso frio

Dany Sternfeld/Creative Commons

Ao encostar a barriga sobre o chão fresco, o animal se refresca. Portanto, libere o acesso do seu cão a locais onde os pisos são de porcelanato, cerâmica ou cimento queimado, por exemplo. No asfalto, em pedras quentes ou pisos expostos ao sol, o cão acaba sentindo mais calor e pode sofrer queimaduras.

Se na sua casa não tiver um piso frio, opte por tapetes gelados, desenvolvidos especificamente para pets.

Ventile a casinha

Se o seu cão vive em área externa, garanta que ele tenha sempre um local mais fresco e com sombra para se alimentar e descansar protegido do sol.

O local onde seu pet se abriga também deve estar protegido contra os efeitos da natureza. Se necessário, mova a caminha ou a casinha para um lugar à sombra e longe da chuva. Se a casinha não for arejada, faça adaptações para refrescar o pet.

Nem todo cão sabe nadar

Nos dias quentes, os seres humanos mal podem esperar para mergulhar nas águas de uma piscina ou do mar. Os cães, por outro lado, podem não gostar nada dessa experiência!

Algumas raças são nadadoras por natureza, como os Labradores e os Golden Retrievers, e não perderão a oportunidade de cair na água. Mesmo assim, é importante que o acesso a piscina, lago e mar seja feito apenas sob a sua supervisão.

Improvise uma piscina

Se o animal não tem nenhum trauma à água e esse recurso não está em falta na sua região, providencie uma piscina para ele. Uma bacia de água já é o suficiente para os animais pequenos. Para os maiores, use um tanque de areia que as crianças brincam para colocar um pouco d’água.

Proteção contra parasitas

O forte calor e a umidade compõem o ambiente perfeito para a ação das pulgas e dos carrapatos em cães e gatos. Além da dermatite alérgica, causada pela picada das pulgas, a tênia também é transmitida pelas pulgas aos animais. Já os carrapatos podem transmitir erliquiose, babesiose e febre maculosa, zoonose que pode ser fatal também para as pessoas. Portanto, é essencial que o seu cão esteja com os medicamentos ou métodos de profilaxia em dia.

Caso seu pet apresente qualquer alteração de comportamento, como excesso de cansaço, falta de ânimo, ou questões físicas, como vômito, gengiva esbranquiçada, desmaio, falta de ar, leve imediatamente ao médico veterinário.