Nos dias mais frios é muito comum deixarmos a água de lado. Normalmente sentimos mais sede no calor, mas isso não significa que a necessidade de hidratação do nosso organismo se restrinja aos dias quentes. Pelo contrário, quando sentimos frio, o nosso metabolismo se acelera para nos aquecer e para isso, precisa de água. Quando sentimos sede significa que já estamos 20% desidratado. Por isso, o ideal é tentarmos tomar água ao longo do dia, em quantidades pequenas, sem esperar que a sede apareça. Muitas vezes ela pode até ser confundida com a sensação de fome porque os dois estímulos são muito próximos. Seus inúmeros benefícios foram tema deste blog no início do ano passado. Mesmo assim consigo fazer mais um post com aspectos que ainda não abordei e que normalmente não são associados à sua presença ou à sua falta.

 

Se não tomarmos o volume que o organismo necessita, ele poderá reter a água que for ingerida, ou seja, poderá mantê-la fora da circulação para que não seja eliminada junto com a urina. Essa retenção pode gerar celulites, varizes, microvasos, manchas roxas na pele, olheiras, hemorroidas, cansaço nas pernas, inchaço e problemas de circulação em geral. Por outro lado, quando estamos bem hidratados, nossa circulação tende a trabalhar corretamente, fazendo com que os nutrientes cheguem rapidamente onde devem chegar, mantendo uma boa nutrição celular, o que regula o nosso metabolismo. A oxigenação celular também melhora, facilitando a absorção da glicose pelas nossas células nervosas, o que colabora com a ação dos neurotransmissores, para equilibrar nossas funções mentais, emocionais e cognitivas. Se já não fosse o bastante, a água também auxilia muito o fígado na função de eliminar toxinas, portanto, se não estiver presente na quantidade adequada, ele pode ser prejudicado, podendo gerar até uma enxaqueca. Sensações de boca seca ou amarga podem ser sinais de que o fígado está com dificuldade de cumprir esta tarefa por falta de água.  

 

Também não é recomendável ingerirmos líquido durante as refeições. Eu nunca tive esse hábito, nem consigo comer direito se estiver bebendo alguma coisa, mas sei que são nesses momentos que os brasileiros mais costumam se hidratar, às vezes são os únicos momentos em que tomam algum tipo de líquido. Nessas situações, ele irá diluir o ácido clorídrico presente naturalmente no estômago, que têm a função de ionizar as vitaminas e os minerais para que eles sejam absorvidos pelo intestino, matar fungos e más bactérias, para não desequilibrar a microbiota intestinal e digerir as proteínas ingeridas. Esse ambiente ácido é fundamental para que a gente consiga absorver e aproveitar bem tudo que estamos comendo. Esse processo dura 1 hora, portanto é bom esperarmos ele acabar para voltarmos a tomar água. Quem tiver muita dificuldade em se alimentar assim, pode tentar tomar algum líquido cerca de 10 minutos antes de começar a comer e ter, entre as opções, alguns alimentos que não sejam tão secos, como os legumes e as verduras, por exemplo.

 

É bom lembrar que a orientação é a mesma durante todo o ano, um adulto precisa tomar entre 1,5l e 2 litros de água por dia. Além desse líquido universal, podemos nos hidratar com água de coco e chás naturais e não adoçados. No frio, os chás quentinhos caem muito bem. As frutas, os legumes e as verduras têm uma alta concentração de água, muitas vezes 80% desses alimentos é composto por ela, e nos ajudam a manter uma hidratação adequada. Mas, muitas vezes, eles também são esquecidos quando a temperatura cai. Para cumprirem este papel, devemos comer cerca de 5 frutas por dia, uma porção de verdura e uma de legume a cada refeição. As sopas são ótimas para aquecer o corpo e nos trazem até um certo conforto, mas não entram na conta da hidratação, assim como refrigerantes, energéticos, sucos industrializados, café e chás com cafeína (preto ou mate).

 

Os sucos, mesmo que naturais, não são uma opção para serem consumidos com frequência. Quando as frutas são batidas no liquidificador, elas perdem as suas fibras, que ajudam o organismo a absorver lentamente o seu açúcar natural, a frutose. Na forma de suco, ingerimos apenas as vitaminas, os minerais e a frutose, que mesmo sendo um açúcar de qualidade, pode aumentar o nível de glicose no sangue. A novidade é que eles devem ser evitados pelas crianças até o seu primeiro ano de vida. Esta é a mais nova recomendação da Sociedade Americana de Pediatria, que adiou esse primeiro contato em seis meses. Mesmo após essa data, a ingestão deve ser limitada a, no máximo, 120 ml por dia para quem tem de 1 a 3 anos de idade, e a 175 ml para crianças de 4 a 6 anos de idade. Independentemente da idade, o melhor é sempre tomar o suco in natura, sem adoçar. Quanto mais açúcar os pequenos ingerirem, mais o paladar deles ficará viciado, mais açúcar eles irão querer e mais difícil será a aceitação de alimentos com outros sabores. Mas isso é tema para um novo texto. Por enquanto, vamos brindar à água!