Nesta época do ano temos inúmeros motivos pra comemorar. Muitas vezes estamos de folga, viajando, sem compromissos, sem despertador e sem termos o relógio ou o celular como algoz. Eu poderia elencar muitas delícias, como estas, mas vou focar em uma, o café da manhã demorado. Pra mim, um dia que vai começando aos poucos, sem pressa, com um café caprichado, tende a ser um dia melhor. Em casa, o desjejum tem o seu lugar garantido de segunda a segunda, faça chuva ou faça sol, e não poderia ser diferente porque acordo sempre com muita fome.
Não é bem o que acontece nos grandes centros urbanos. A rotina corrida e os horários apertados fazem com que boa parte dos moradores das metrópoles troquem a primeira refeição do dia por alguns minutos a mais de sono. Há também aqueles que “comem qualquer coisa” na rua ou no caminho para o trabalho ou para a escola. De uma forma ou de outra, esse hábito tão importante vai sendo deixado de lado.
Quando acordamos, normalmente estamos a umas oito horas sem comer. Se permanecermos em jejum, faltará energia para o sistema nervoso central, que pode gerar falta de concentração, irritabilidade, sonolência, enjoo, tontura e enxaqueca. Entre as crianças é muito comum substituir o café da manhã por uns minutinhos a mais na cama. Essa troca pode interferir até no rendimento escolar.
Se não temos fome ao acordar, mais cedo ou mais tarde ela vai aparecer e quando chegar virá em grandes proporções. O faminto vai perder o critério na hora de escolher os alimentos e dará prioridade ao que for mais rápido para acabar com ela, o que quase nunca é a opção mais saudável. O prato daqueles que fazem do almoço a primeira refeição do dia sempre ultrapassa a quantidade que seria necessária para aquele momento.
A virada do ano é um bom momento para fazer as pazes com o café da manhã. Pode ser mais uma entre tantas resoluções de final de ano e certamente será uma das mais fáceis de cumprir e logo poderá ser também umas das mais prazerosas. Basta criar o hábito. O argumento da falta de fome ao acordar pode ser revertido por ele. É só começar a comer regularmente pela manhã, que logo a pessoa vai sentir falta se tiver que pular essa refeição.
Já que é pra mudar a rotina, vale pensar também em variar os alimentos consumidos ao acordar. Os estados brasileiros têm culturas muitos diferentes e isso inclui a alimentação. Vou falar de São Paulo, que é onde vivo. Por aqui, não se costuma fugir muito da média, o café com leite, e do pão com manteiga. Mata-se a fome, é verdade, mas perde-se uma ótima oportunidade de agregar muitos nutrientes e fibras à dieta. Não há refeição melhor para o consumo de frutas, sucos e cereais. No lugar do pãozinho, podem aparecer a mandioca cozida, em forma de bolo, de tapioca, ou até de biscoito de polvilho. A batata doce cozida, que o meu filho adora, e até o milho, em versões doces ou salgadas, também são ótimos substitutos. As opções são inúmeras e variadas, é só usar a criatividade e descobrir o que combina melhor com você. A sua saúde agradece.