No início da década de 1950 a construtora Monções, do empresário João Artacho Jurado estava a todo vapor.

Após um início como incorporador de casas, nos bairros do Jardim Anhanguera e Vila Pompeia, o construtor com pique de marqueteiro estava começando a entregar seus primeiros edifícios na Capital Paulista.

Seriam esses, o Edifício Pacaembu na Av. General Olímpio da Silveira, Edifício Duque de Caxias e Edifício Gal. Jardim nos homônimos logradouros.

Nada porém igualaria os majestosos Edifícios Planalto, Viadutos e Bretagne, que seguiriam a serie.

Esse último representou um verdadeiro acontecimento no Bairro de Higienópolis, que, conservador por tradição, viria o primeiro condomínio Clube de São Paulo ser implantado.

As vendas foram um sucesso e sua inauguração, no dia 29 de Outubro de 1958, um verdadeiro marco na história da cidade.

 

Acervo/Estadão

Acervo/Estadão

 

Acervo/Estadão

Logo em Seguida, na primeira quinzena de Novembro, Artacho Jurado, mestre na promoção de suas obras, abriria o Edifício para os curiosos.

Acervo/Estadão

Num convite, publicado no Estadão na data de 9/11/1958, a Imobiliária Monções chama o grande público “desta grande Cidade, e a gente de fora” para visitar o empreendimento, “agora em exposição diariamente, à Avenida Higienópolis, 938” lê-se. E Mais adiante se especifica, que a visita deverá ser feita por puro deleite, já que não havia mais unidades disponíveis para venda no local.

Os Visitantes, deixavam suas impressões num Livro de visitas, que a Monções republicava em suas publicidades :

 

Na semana seguinte, mais um anuncio, enfatizaria os mais de 10 mil visitadores acorridos de toda parte para conhecer o ja famoso, com apenas duas semanas de vida, Bretagne.

Acervo/Estadão

Em breve o Bretagne estará apagando 59 velas, mas apesar de já ter completado meio século, continua surpreendendo quem passa em frente ao numero 938 da Av. Higienópolis.