A crise econômica passou longe dos estandes da BioBrazil Fair/Biofach América Latina, a maior feira do setor de orgânicos do continente realizada na semana passada em São Paulo, entre 10 e 13 de junho. “Esta foi sem dúvida a melhor edição”, garante a produtora de vinhos e sucos orgânicos Salete Arruda, presidente da Cooperativa dos Produtores Ecologistas de Garibaldi (Coopeg), na serra gaúcha e expositora no evento. “Fechamos quatro vezes mais negócios do que na Biofach do ano passado”, garante Salete, que produz cerca de 200 mil litros por ano de suco de uva integral, 30 mil litros de vinho e 5 mil litros de espumante, todos produtos orgânicos e certificados.

Salete Arruda diz que Coopeg vendeu quatro vezes mais na Biofach 2015

Salete Arruda diz que Coopeg vendeu quatro vezes mais na Biofach 2015. FOTO: TÂNIA RABELLO

O produtor de molhos, temperos, chás e geleias orgânicas José Estefno Bassit, da marca Blessing Orgânicos, confirma o sucesso de negócios no evento: “Tivemos 50% a mais de vendas diretamente no nosso estande”, diz ele, e complementa: “Em relação a negócios fechados para o fornecimento de nossos produtos ainda não temos o balanço fechado, mas nossa expectativa, em relação às visitas de lojistas e supermercadistas, é de quadruplicar as vendas em relação ao ano passado. Cadastramos 50 novos potenciais compradores”, diz Bassit, que desde 2007 produz orgânicos sob a marca Blessing e cresce à taxa anual de 37%. “Nossa expansão dentro e fora da Biofach só tem uma explicação, mesmo diante da crise econômica: o consumidor está mais consciente em relação aos cuidados efetivos com a saúde”, diz Bassit.

A própria Biofach América Latina, antes de qualquer negócio fechado nos estandes, já tinha crescido este ano. Com 40% a mais de expositores de orgânicos (122 ao todo), entre alimentos in natura, processados, congelados, cosméticos, biojoias, insumos para a agricultura orgânica, artigos de limpeza e até artigos para o segmento pet, ela novamente se firma como a principal feira do setor no País.

biofach 2015 organicos brasil

Biofach 2015 bateu recorde de público, com mais de 17 mil visitantes. FOTO: DIVULGAÇÃO

Segundo a Francal Feiras, organizadora do evento, o público total superou as expectativas iniciais, de 15 mil pessoas. Foram 17.669 visitantes no Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera – tanto para a Biofach/BioBrazil Fair quanto para a Naturaltech, feira concomitante do segmento de produtos naturais. Entre os visitantes, informa a Francal, há uma parcela que corresponde ao varejo especializado – entre supermercados, farmácias, clínicas, hospitais, academias, spas e outros. “A quantidade de profissionais ligados a esse segmento na feira foi 30% maior em relação a 2014”, diz a Francal.

Uma iniciativa que contribuiu para os bons resultados da edição de 2015 foi a Rodada de Negócios, promovida pelo Sebrae. Houve, durante apenas dois dias da feira, 256 reuniões, além de encontros entre 20 compradores de orgânicos e 91 vendedores. No próprio evento já foram fechados R$ 147.500 em negócios e há potencial para mais R$ 1,022 milhão num futuro próximo, informa a Francal.

“A Biofach América Latina/BioBrazil Fair cresceu e o mercado vem sendo a maior indicação deste crescimento”, confirma o coordenador executivo Ming Liu, do Projeto Organics Brasil, parceria entre o Instituto de Promoção do Desenvolvimento (IPD) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) para exportação de orgânicos processados. “Houve forte demanda por parte de lojistas e consumidores cada vez mais bem informados, procurando conhecer os produtos pela sua funcionalidade e benefícios que podem trazer ao seu estilo de vida”, diz Ming Liu, acrescentando que o espaço da Organics Brasil na Biofach recebeu delegação de empresários do Chile, compradores de redes de varejo do Canadá, Emirados Árabes, Marrocos, Estados Unidos, Alemanha, Coreia do Sul e França.

Houve também um aumento da procura de  empresas nacionais interessadas no desenvolvimento de potenciais oportunidades no mercado internacional. “Os representantes do Canadá aproveitaram para visitar empresas nacionais e conhecer ‘in loco’ as operações”, conta Ming Liu, acrescentando que o crescimento da feira mostra a “mudança de comportamento do consumidor, mais consciente em relação à saúde, o que minimiza o fator limitante de preços de orgânicos nos mercados”, diz o executivo.

Eis os números que confirmam o crescente interesse pelos orgânicos no Brasil: com base no faturamento de 2014, análises com órgãos de varejo e acompanhamento de grandes redes, o Organics Brasil estima que o crescimento do setor orgânico no Brasil, em 2015, seja de até 30% e o faturamento atinja R$ 2,6 bilhões.