Muito ou pouco frio, os coletes são a salvação nessa oscilação térmica – absurda – que é o nosso país. Apesar de estar na moda (novamente) o colete não é uma peça nova, sua origem remonta ao século XVI, durante o Renascimento, quando seu precursor – o gibão – foi uma das primeiras peças exclusivamente masculina.

Hoje é uma peça unissex e extremamente versátil, já que permite a sobreposição com camisetas e camisa de manga curta para dias mais amenos e blusas e camisas de manga longa para dias de frio mais intenso.

Por estarem na moda novamente, é fácil encontrar uma peça no preço que você pode pagar. Praticamente todas as lojas que tenho visto nos últimos dias tem pelo menos um modelo à venda (o preço médio é de R$150).

Se você ainda associa colete com cowboy ou acha que eles engordam a silhueta cuidado, está na hora de rever conceitos.

– Colete com camisa xadrez forma a traia country (roupas do uniforme usadas pelas comitivas), mas depende muito do xadrez escolhido. Um xadrez vermelho com preto, por exemplo, é muito mais urbano, de estética grunge, do que caipira. Dica: explore os xadrezes grandes e com cores mais jovens.

– Quanto a engordar a silhueta é preciso atenção: alguns modelos são volumosos, usam tecidos brilhantes ou têm costuras horizontais que formam gomos, por isso, fuja dessas opções. Procure peças com costuras na vertical, tecidos opacos, cores mais fechadas e modelagem mais justinha ao corpo. Se você tem a região do abdômen alta ou quadril mais largo que a linha do ombro, procuro usar o colete fechado.

– Existem coletes para situações diferentes, ou seja, colete também pode ser mais casual, mais esportivo ou formal. Tanto que existem coletes usados em casamentos, coletes para usar com o terno no escritório, mas meu foco aqui hoje são os coletes para o dia a dia. Para escolher entre um mais esportivo e um mais formal você deve perceber que mudam a forma de fechamento, o tecido e pode ainda ter ou não capuz (capuz é esportivo). Para te ajudar separei alguns exemplos.